AO VIVO

Conexão Costa Oeste

Alessandro Kunhaski

AO VIVO

Bailão da Costa Oeste

Geovani Canabarro

AO VIVO

Encerramento dos Trabalhos Radiofônicos da Rádio Ind.1020

Rádio Independência

Beto Richa diz esperar que '29 de abril' não se repita e sirva de exemplo
Geral | 16/08/2017 15:50 | G1 | Fotos: G1
O governador do Paraná, Beto Richa, disse esperar que a ação policial do ’29 de abril’ não se repita e sirva de exemplo. Richa falou sobre o assunto durante um evento em Foz do Iguaçu,  nesta quarta-feira (16), um dia após a Justiça rejeitar a denúncia contra ele e outras cinco pessoas no processo que investiga a ação da Polícia Militar (PM) que deixou mais de 200 feridos nos arredores da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) em 2015.

“Fico muito feliz e confesso que não fico surpreso porque sempre acreditei que o destino daquelas denúncias seria este mesmo, o arquivamento, visto que ficou muito claro o papel da polícia de proteger uma instituição democrática como é a Assembleia Legislativa.

Comemorar não dá porque aquele dia os fatos e as imagens foram lamentáveis. A gente espera que isso sirva de exemplo e não aconteça nunca mais”, apontou.

A manifestação havia sido organizada por professores e servidores públicos, em frente à Assembleia Legislativa do Paraná, em Curitiba, em protesto contra um pacote de medidas fiscais propostos pelo governo estadual.

Os seis foram processados pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por improbidade administrativa, em setembro de 2015.

No despacho, a juíza Patricia de Almeida Gomes Bergonse considerou que não houve crimes contra a administração pública na operação da PM, deflagrada para cercar o prédio da Alep e garantir a votação do ‘pacotaço’.

O MP-PR afirmou que vai recorrer da decisão.

Denúncia
Conforme a denúncia, os acusados usaram os cargos que tinham para "vilipendiar" o exercício da cidadania, executar operação policial ofensiva e desproporcional, desrepeitar regras de policiamento em manifestações públicas, expor risco à vida das pessoas e realizar ação "custosa", sem justificativa.

O que diz o sindicato
O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato) se disse insatisfeito e indignado com a decisão e afirmou refutar os argumentos da juíza, que "quase põe a culpa nos manifestantes".

Segundo o sindicato, o manifestantes agiram de forma pacífica em todo o momento, ao contrário dos policiais, que "promoveram um processo de confronto e de massacre".
A APP afirmou ainda que vai estudar outras providências jurídicas em relação ao caso, e que, mesmo com a extinção do processo, o dia 29 de abril de 2015 "jamais sairá da memória e da história dos professores e servidores do estado".
 
 
Receita do Dia
Mensagem do dia (23/08/2017)
www.costaoestefm.com

Rua Geni de Souza Bongiolo, 225, sala 05

São Miguel do Iguaçu - Paraná

(45) 3565-1022

Avenida Brasil, 956

Santa Helena - Paraná

(45) 3268-8778

Avenida Pedro Soccol, 452.

Medianeira - Paraná

(45) 3264 - 1713 / (45) 3264 - 1635